CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Filme do Dia: Conto Cruel da Juventude (1960), Nagisa Oshima

Conto Cruel da Juventude (Seishun Zankoku Monogatari, Japão, 1960). Direção e Rot. Original: Nagisa Oshima. Fotografia: Takashi Kawamata. Música: Riichiro Manabe. Montagem: Keiichi Uraoka. Dir. de arte: Koji Uno. Com: Yusuke Kawazu, Miyuki Kuwano, Yoshiko Kuga, Fumio Watanabe, Shinji Tanaka, Yosuke Hayashi, Shinjiro Matsuzaki, Toshiko Kobayashi.
Makoto (Kuwano) é uma secundarista que conhece e se apaixona por Kyioshi (Kawazu), que alterna momentos de ternura e rudeza. Em pouco tempo, ele consegue dinheiro, explorando o interesse que a garota desperta em outros homens. Ela engravida, porém. Kyioshi furta dinheiro de outra amante para o aborto. Makoto dorme com outro homem, mais velho e gentil. Ela conta tudo a Kyioshi que a espanca. Porém, Kyoshi morre vítima de uma gangue que quer descobrir o paradeiro de Makoto, que é atropelada.
Primeiro de uma trilogia de filmes que Oshima realizou para a Shochiku que acabaria provocando o seu rompimento com a companhia. Fotografado em cores fortes, o que lhe dá um toque gráfico ausente das primeiras produções da Nouvelle Vague contemporâneas com quem tem sido habitualmente comparado, essa produção compartilha com a última o gosto pela deambulações em ruas e pelas locações em geral, assim como pela intimidade, trabalhada aqui de modo ainda mais ousado. O tom de contestação política, apenas levemente referido, tornar-se-á mais evidente posteriormente. A forte misoginia da cultura japonesa é retratada no modo cru e violento com que são tratadas as mulheres. Oshima também já deixa evidente o seu interesse pela sexualidade, que se tornará o tema central e explícito de seu O Império dos Sentidos (1976), sendo quase tão avançado na abordagem desse quesito para o momento quanto esse o será na década seguinte. Foi censurado na Inglaterra à época.  Shochiku Ofuna.  96 minutos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário