CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Filme do Dia: Branca de Neve (2000), João César Monteiro



Resultado de imagem para branca de neve joao cesar monteiro poster
Branca de Neve (Portugal, 2000). Direção: João César Monteiro. Rot. Adaptado: João César Monteiro, baseado na peça de Robert Walser. Fotografia: Mário Barroso. Montagem: Fátima Ribeiro. Com: Maria do Carmo Rôlo, Ana Brandão, Reginaldo da Cruz, Luís Miguel Cintra, Diogo Dória.

Variações de interpretação sobre as relações entre as pessoas que rodeiam Branca de Neve (voz de Rôlo) e ela própria, sua morte e ressureição, nessa adaptação bastante radical de Monteiro, que dispensa quase que totalmente as imagens pelo fundo negro. Resta ao espectador o trabalho da própria imaginação que, embora semelhante ao da literatura – sob o qual o filme parece prestar igualmente grande reverência nos diálogos literários, ou melhor, não naturalistas da peça teatral na qual se inspira. Reduzindo a atenção do espectador aos belos diálogos, o filme ao mesmo tempo redimensiona o poder da imagem, que invariavelmente é a de um céu azul mais ou menos nublado, sem contar a imagem inicial do caçador morto e a final do próprio cineasta. Assim como a do som, que passa a ser um aliado importante dentro do reduzido arsenal utilizado pelo realizador, seja através do ruído de pássaros ou de composições de Heinz Holliger, Rossini e Salvatore Sciarrino. O resultado final, para quem concorda com as novas regras do jogo impostas por Monteiro (filmes que trabalham com tela clara ou escura aliadas a flicagem, como os da vanguarda americana dos anos 1960,  não possuem aspirações narrativas e, tal recurso, foi utilizado em um dos episódios de 11 de Setembro) é bastante interessante e um testemunho de fé no ato de narrar, ainda que a própria narrativa tampouco se dê um modo excessivamente transparente para compensar a ausência de imagens. Madragoa Films/RTP/ICAM. 75 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário